Antonine Baths, as Termas Romanas

por Nuno Madeira
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante

Depois da visita ao Museu do Bardo, e antes de seguir para Sidi Bou Said, foi tempo de uma curta passagem pelo complexo Antonine Baths (Termas de Antonino).

Estas ruínas fizeram-me lembrar as ruínas de Conímbriga, perto de Condeixa-a-Nova, talvez pelas semelhanças já que ambas foram construídas pelos Romanos. O mar como pano de fundo torna a visita muito mais interessante. Por entre pequenos “canos” que faziam o transporte da água para os quartos e câmaras, sobe e desce de escadarias devido à arquitectura única, é possível imaginar a dimensão das Termas e do elevado número de pessoas que podiam usufruir das mesmas.

Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante

Antonine Baths foi um enorme complexo de termas romanas construído em 145 – 165 a.C., maioritariamente durante o reinado do Imperador Romano Antoninus Pius, e estava entre as maiores termas a serem construídas no mundo romano, sendo mesmo o maior complexo no norte de África.

Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante

Estas termas situadas na costa de Cartago, eram abastecidas com água das cisternas Borj Jedid, que por sua vez eram alimentadas com água das montanhas Zaghouan através de aquedutos construídos pelo Imperador Adriano. Por ser tão próximo do mar, foi criada também uma piscina ao ar livre, com terraço, para que se aproveitasse ao máximo a vista. O mar estava também ao alcance dos utilizadores das Termas já que estava acessível através de uma enorme escadaria.

ESTE ARTIGO TAMBÉM PODE INTERESSAR  Sidi Bou Said no cimo da colina

As termas poderiam servir uma multidão de visitantes e continha várias salas e câmaras tradicionais para um complexo como este, tais como Frigidarium (quarto frio), Caldarium (quarto quente) e Trepidarium (banho quente).

Apesar de faltar a sua grandeza original, vale a pena explorar estas fascinantes ruínas pela sua localização pitoresca, com o oceano como pano de fundo.

Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante

Características Únicas

O que fez de Antonine Baths um complexo realmente original foi a maneira como foi construído. A proximidade com o mar exigiu que fosse uma construção mais funda que o habitual, e isso fez com que fosse impossível fazer da cave a área de serviço como normalmente acontece. Os arquitectos tiveram que adaptar a estrutura e subiram um nível fazendo com que os quartos de banho, em vez de se situar no piso térreo, ficaram localizados nos andares superiores do complexo ficando em seu lugar, ao nível do solo, os hipocaustos, o abastecimento de água, despensas e quartos pessoais.

As características únicas de Antonine Baths são a razão pela qual resta muito pouco. Os andares superiores foram perdidos e o tecto desabou pouco tempo depois do complexo deixar de ser usado. Os únicos restos visíveis são as áreas de serviço do piso térreo. Os fornos podem ser ainda identificados como áreas de armazenamento de madeira para aquecer o hipocausto, e os canos de barro para água quente.

ESTE ARTIGO TAMBÉM PODE INTERESSAR  Castelo de Montemor-o-Novo
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante
Tunísia: Antonine Baths | Diário do Viajante

Localização

Coordenadas Google Maps: 36.854594,10.3345929

0 comentário

Publicações semelhantes

Deixar um comentário

Envie este artigo a um amigo